Necromancia

De Mirr Enciclopédia

Ramo da magia que estuda a manipulação das forças da morte, a Necromancia é considerada por muitos como uma arte amaldiçoada uma vez que interfere diretamente no designio dos deuses para com os mortais.

Contedo

Necromancia X Tanatomancia

Tendo surgido como uma dissidência da Tanatomancia, a Necromância se diferencia por acreditar que após a morte, o corpo e o espirito de um indivíduo não mais lhe pertencem, passando a integrar o cosmos de Mirr.

É através dessa crença que eles justificam seus rituais onde manipulam corpos, ou partes deles (considerados invólucros, agora sem uso por seus antigos donos). Quando questionados sobre as magias que invocam espiritos ou almas para servirem seus própósitos, os necromantes argumentam que apenas evocam almas perdidas e sem rumo, já que aquelas que ainda possuem algum propósito estão guardadas com segurança no plano celestial ou abissal.

O Aprendizado da Necromancia

Por ter uma arte bastante difundida, seu aprendizado só depende do interesse de algum arcano em explorar e desvendar seus segredos. Alguns porém, em especial aqueles mais velhos e experientes, são taxativos em dizer que a Necromancia é um caminho sem volta e que uma vez envolvidos em seus segredos, o arcano se deixará corromper por seu poder.

Talvez um dos casos mais célebres dos perigos da prática da Necromancia é o caso do mago Zurt, que durante a época das Grandes Guerras forjou uma aliança com os orcs de Gallaark e os Elfos Negros, trazendo a quase obliteração do reino de Myrtakos. Zurt também fez bom uso do poder de corrupção dessa escola de magia ao corromper um mago de nome Leher Angst, membro de um grupo de aventureiros cuja missão era caçá-lo. Após transformar Leher em seu servo leal, este passou a informar Zurt sobre cada ação do grupo, deixando o necromante sempre um passo a frente. Ambos acabaram sendo derrotados pelo grupo em uma grande batalha final, sendo que Leher sucumbiu nas mãos de um outro poderoso arcano de nome Guilhiham Willheart.

Evolução na Necromancia

Assim como em qualquer escola de magia, os praticantes que dediquem a vida ao estudo da necromancia, crescem gradualmente em poder com o passar dos anos. Os necromantes no entanto, passam a incorporar a magia a si mesmos, buscando mais poder e o sonho da vida eterna. Por conta disso, seus corpos passam a exibir as marcas da corrupção, degradando-se e apodrecendo ao longo do tempo. Em seu primeiro estágio de evolução, eles são chamados Lichs e apesar do avançado estado de decomposição, ainda se assemelham a sua forma humana original. Na segunda fase, passam a ser conhecidos como Arcliches, sendo que nessa fase seus corpos se resumem a pouco mais que seu esqueleto e suas roupas. Em um último estágio, são denominados Demoliches e é nesse momento que seu corpo físico perde importância. Tendo alcançado tamanho poder, muitos demoliches se manifestam como simples crânios flutuantes ou mesmo seres hetéreos que incorporam estátuas, objetos ou mesmo pessoas, quando desejam se manifestar.


Rituais Necromantes

A quantidade de magias e rituais presentes na escola necromante é imensa e servem aos mais variados propósitos. Desde a criação de exércitos e servos ao erguer os mortos, passando pelo desenvolvimento de maldições, os necromantes possuem uma grande gama de opções em suas mãos. A maior parte dos rituais necromânticos demanda a utilização de componentes biológicos, como partes e fluídos de corpos. É por essa razão que muitos necromantes vivem e habitam locais tais como cemitérios, criptas ou labirintos, onde podem conseguir matéria prima para seus experimentos.

Ferramentas pessoais